Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Vida de Sonho

Todos os dias temos uma decisão a tomar: o que vou fazer com a minha vida? Por aqui registo reflexões sobre essa guerra.

Vida de Sonho

19
Fev18

A relação com nós próprios

Vida de sonho

Fim de semana com descanso qb, mas também com algumas conversas interessantes e bastante profundas. Quando penso na vida, acabo por chegar a uma grande conclusão: o pilar, o alicerce para estarmos bem é uma boa relação connosco. E o que é essa relação? É o quanto gostamos de nós, cuidamos de nós e o tipo de conteúdos daquele fio de pensamento contínuo que nos acompanha e que pensamos ser nós. Esse fluxo contínuo de pensamentos é a nossa companhia permanente e o tipo de pensamentos dão o principal contributo para como nos sentimos.

Se refletirmos um pouco, verificamos que os nossos dias passam por uma sucessão de acontecimentos, uns bons, outros menos bons. Conforme os acontecimentos, sentimo-nos melhor ou pior, mas não há efeitos permanentes, duradouros. Se temos uma festa, estamos bem durante esse período e mais algum tempo; se alguém nos censura ou critica, ficamos tristes durante algum tempo. Após o efeito do acontecimento, voltamos à nossa companhia permanente: nós próprios.

Ou seja, tudo é passageiro, umas coisas demoram mais, outras menos. O luto associado a uma perda de alguém próximo dura bastante tempo, mas acabamos por aprender a viver com a nova realidade. Nas coisas boas ainda é pior, porque nos adaptamos rapidamente e o efeito positivo é mais curto do que o negativo.

Conclusão, quando procuramos bem estar em fatores externos - pessoas, trabalho, bens, experiências, etc... - o resultado acaba por ser passageiro e somos apanhados na armadilha de estar sempre à procura da próxima coisa que nos dará o bem estar que tanto procuramos.

Por outro lado, é a única forma de conseguirmos atravessar esta existência com alguma estabilidade. Se esta relação está bem, as experiência negativas têm efeitos limitados, porque voltamos a este porto de abrigo, calma e bem estar.

Mas se não estiver, os efeitos das coisas boas são rapidamente engolidos por essa relação interior negativa.

É importante, fundamental, gostarmos de nós, tratarmos bem desta pessoa, desta companhia permanente, que está a fazer o seu melhor nesta vida. E merecemos isso. Devemos tratar de nós como fazemos com os outros: perdoar as nossas falhas, reconhecer as qualidades, festejar as nossas vitórias.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D