Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vida de Sonho

Todos os dias temos uma decisão a tomar: o que vou fazer com a minha vida? Por aqui registo reflexões sobre essa guerra.



Segunda-feira, 29.01.18

O poder da modéstia e da simplicidade

Semana com desafios profissionais. Está na altura de balanços de 2017 e hora de recolher, compilar informação de suporte a avaliações. Muitas horas a trabalhar informação de gestão pela frente.

Este fim de semana foi muito interessante. Almoços de família habituais e um jantar anual de primos no sábado. Momento muito caloroso, de encontro entre pessoas que cresceram juntas e partilham raízes comuns. Colocar conversa em dia, partilhar como vai a vida, muita diversão e reencontro. São eventos de grande significado.

Infelizmente, alguns passam por problemas complicados, não de saúde, mas no lado das relações familiares e profissionais. Essas histórias levam-me normalmente a 2 conclusões: nunca sabemos o dia de amanhã e uma vida modesta, simples, pode prevenir problemas muito sérios. Claro que também não oferece luxos e tantas coisas que o desenvolvimento da sociedade atual proporciona. Ou seja, quando corre bem não oferece tanta abundância material e reconhecimento externo; quando corre mal, as perdas não são tão graves, nem comprometem presente e futuro. Os sacrifícios de conforto material são aparentes, porque a paz, a consciência tranquila que se deita na almofada não têm preço. Mesmo o reconhecimento externo é muito nebuloso. As pessoas têm uma atitude diferente perante os mais ricos e poderosos, mas, se algo corre mal, parece que há uma inveja a alimentar um sentimento de quase satisfação pela queda. A natureza humana, egóica, é complexa, estranha, irracional. Fiquei sensibilizado com a história e também mais seguro das opções que tenho tomado, porque o que quero é paz e é algo que, neste momento, tenho.

Ricos ou pobres, poderosos ou humildes, somos humanos, dominados por estruturas mentais com base num ego frágil. Essencialmente queremos que gostem de nós, sejamos quem formos. Outra ideia importante é que se procuramos uma solução para essa fragilidade no exterior, corremos riscos muito mais elevados de perder esse suporte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Vida de sonho às 09:29


8 comentários

De Cristina Ferreira a 01.02.2018 às 12:36

Já diz o ditado: "Dinheiro não é felicidade!"
A sociedade em que vivemos cria-nos muitas falsas necessidades... É de facto importante parar e avaliar o que é ou não deveras importante...

De Vida de sonho a 01.02.2018 às 13:33

Sem dúvida, Cristina. Infelizmente, a nossa cultura não fomenta esse parar, que seria olhar para dentro de nós, e avaliar o que é importante. Acho até que as pessoas têm uma relação muito difícil com elas próprias (autocensura e julgamento implacáveis). Isto implica 2 atos de coragem: olhar para dentro e focar nessas conclusões independentemente do que o resto do mundo pensa. Obrigado pelo olá, tudo de bom para si.

De gatodeloiça a 01.02.2018 às 14:18

Bom texto, gostei!

De Vida de sonho a 02.02.2018 às 11:17

Muito obrigado.

De Why Not a 02.02.2018 às 15:08

Dinheiro versos Felicidade....
Que ajuda, ajuda! Mas não a trás!
Ou sabemos ser felizes sem ele... ou nunca saberemos.
A sociedade habituou-se a um consumismo desmedido, muitas vezes sem qualquer necessidade... o facilitismo ao crédito ajudou ainda mais a que nos iludíssemos com falsas felicidades.
O dinheiro compra a saúde?! Não! pode eventualmente a acelerar alguns diagnósticos mas nunca é garantia.
Daí pautar a minha vida pela simplicidade, pelo momento e pelo não consumismo... sou feliz?!- sou! Se tivesse muito dinheiro seria mais?! - não!

Adorei o seu post

WN

De Vida de sonho a 15.02.2018 às 09:55

As minhas desculpas pela demora na resposta. Partilho e pratico essa visão da simplicidade. No meio da turbulência do modo de vida que a sociedade nos programa desde crianças, perdemos felicidade e outra coisa que valorizo muito: liberdade.
Por exemplo, ter muitas coisas retira-nos liberdade, porque temos que tratar delas. Temos que as guardar, arranjar, limpar, enfim, cuidar. Nessa altura, passamos a ser posse das coisas e não o inverso.

De florbela a 14.02.2018 às 14:31

Às vezes,o mais simples é o mais bonito!! Gostei do texto que escreveste!! Muitos parabéns pelo teu destaque!!

De Vida de sonho a 15.02.2018 às 09:50

Obrigado, é muito simpático da tua parte.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.